QUER APRENDER?

Latest Tweets

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Legista afirma que menino acusado de matar pais policiais é inocente.

Posted By: Fernando Gustioli - 16:28

Share

& Comment

George Sanguinetti ficou famoso após refazer o laudo do caso PC Farias e provar que houve assassinato; ele também afirma que o casal Nardoni não foi o responsável pela morte da menina Isabella
O médico legista e professor da Universidade Federal de Alagoas, George Sanguinetti, colocou em xeque hoje a versão da polícia de São Paulo que atribui a Marcelo Pesseghini, de 13 anos, a autoria dos assassinatos de seus pais, da avó e de uma tia-avó. Ao analisar a posição dos corpos em uma reprodução da cena do crime, ele disse que seria impossível o menino ter cometido suicídio e que todo o cenário reflete uma chacina cometida por outra ou outras pessoas.
Sanguinetti disse que a perícia deve recalcular o trajeto feito pelos corpos depois que foram atingidos pelos projéteis. Ele garante que é possível refazer o trabalho mesmo sem os corpos no local, já que há fotos da cena. Para o legista, não há dúvidas de que Marcelo foi vítima.

Sanguinetti ficou famoso depois que provou que o ex-ministro Paulo César Fárias e sua namorada haviam sido assassinados. Ele também causou polêmica recentemente e até escreveu um livro em que defende a tese de que o casal Nardoni não foi responsável pelo assassinato da menina Isabella. Este último caso, inclusive, pode sofrer uma reviravolta, caso uma analisa feita nos EUA seja aceita para refazer o julgamento. O casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá foram condenados e já cumprem pena.

About Fernando Gustioli

Techism is an online Publication that complies Bizarre, Odd, Strange, Out of box facts about the stuff going around in the world which you may find hard to believe and understand. The Main Purpose of this site is to bring reality with a taste of entertainment

0 comentários:

Copyright © 2013 Aqui a Gente Mostra™ is a registered trademark.

Designed by Templateism. Hosted on Blogger Platform.