QUER APRENDER?

Latest Tweets

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Veja o porque ele é o inimigo numero 1 dos EUA e o homem mais procurado do mundo.

Posted By: Fernando Gustioli - 18:02

Share

& Comment



Poderia ser um criminoso, terrorista, traficante de drogas ou político corrupto, mas não. O homem mais procurado do mundo é um ex-funcionário da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos. Barba e cabelos loiros, rosto sereno e bondoso, Edward Snowden saiu do anonimato direto para a lista dos “mais procurados” do governo. Ele é o responsável pelo vazamentos de arquivos que tornaram públicos a existência do PRISM, programa norte-americano de rastreamento com capacidade de acessar arquivos de áudio, vídeo, foto, e-mails, histórico de buscas e outros dados sigilosos de qualquer cliente das maiores empresas de internet do mundo.

Talvez esse jeito que lhe transparece tenha sido o motor para que ele se denunciasse um dos maiores programas confidenciais de inteligência americana. Aos 29 anos, Snowden acendeu a chama de um debate importantíssimo sobre o equilíbrio entre segurança nacional e privacidade no mundo moderno.

Antes de trabalhar pelos últimos quatro anos, da NSA, foi assistente técnico para a CIA (Agência Central de Inteligência) Em qualquer lugar do mundo, funcionários de agências de inteligência são obrigados a assinar uma série de contratos que garantem, juridicamente, o segredo dessas informações. Neste impasse entre o que era certo para o governo ou o que era melhor para a população, Snowden optou pelo segundo. Desde então, largou tudo e partiu para Hong Kong, onde teria o mínimo de segurança para liberar os documentos sem ser capturado quase que imediatamente pela polícia. Entre eles, uma apresentação de slides que servia para treinar novos oficiais a lidar com o software de rastreamento, dava todos os detalhes do alcance e dimensão do PRISM. 



Depois da reportagem dada com exclusividade ao jornal britânico The Guardian, Snowden se mandou mais uma vez, primeiro com destino à Rússia, depois, ninguém sabe. O governo norte-americano chegou a fazer um pedido formal de extradição a qualquer país que saiba de seu paradeiro.

Certo é que ele está em busca de asilo político e o Equador já sinalizou interesse. O país já dá proteção ao australiano Julian Assange, idealizador da Wikileaks, organização sem fins lucrativos que publica documentos, fotos e informações vazadas de governos ou empresas sobre assuntos confidenciais, polêmicos e/ou de interesse público. Com tudo caminhando para que os dois grandes procurados da Casa Branca permaneçam sob custódia dos sulamericanos, o presidente equatoriano, Rafael Correa, já indicou que não aceitará pressões, abdicando, inclusive, de benefícios tarifários dados pelos EUA pela campanha antidrogas instaurada no país.

A história de Snowden e Assange tem, inclusive, algumas semelhanças, além do fato de representarem inimigos de estado para os EUA. Ambos querem ser trazidos a qualquer custo pelo governo norte-americano para que sejam “julgados como manda o rigor da lei”, despertaram o ódio de políticos e autoridades poderosas do país e lutam a favor dos direitos de liberdade de expressão, informação e contra os abusos de grandes figurões do cenário global. A diferença é que Snowden se aproxima mais da figura de Bradley Manning, fonte das denúncias sobre o governo ao Wikileaks. O papel de Assange, de disseminar a informação, ficou com o jornalista Glenn Greenwald, do Guardian, a quem Snowden revelou o segredo.

O soldado informante do Wikileaks está preso desde 2010. Ele aguarda julgamento, com risco de ser condenado à prisão perpétua. Para a justiça americana, o caso de Snowden é ainda mais grave. As informações liberadas por ele estão no mais alto grau de confidencialidade, o chamado “Top Secret”, enquanto a pesada pena de Manning pode vir por um “crime” bem mais leve.

Na última década, depois dos atentados de 11 de setembro, o sistema judiciário dos EUA ganhou o costume de passar leis com enfoque em segurança pública, que rivalizam com a proteção de dados pessoais na internet. O que se vê, é um esforço político para que se flexibilize e possibilite esse monitoramento geral e irrestrito, algo que fere o direito à privacidade previsto nos Direitos Humanos.

Snowden já declarou em entrevista que nem cogita a possibilidade de, um dia, voltar para casa, apesar de considerar que não fez nada errado. Os desdobramentos dessa história ainda estão longe do fim, restando, a Snowden, apenas se esconder e procurar proteção. “Eu quero que o foco esteja nos documentos e nos debates que isso deve desencadear entre os cidadãos sobre o tipo de mundo que queremos viver. Minha única motivação é informar o público sobre o que é feito com nome dele e o que é feito contra eles”, disse ele ao Guardian.


GALILEU

About Fernando Gustioli

Techism is an online Publication that complies Bizarre, Odd, Strange, Out of box facts about the stuff going around in the world which you may find hard to believe and understand. The Main Purpose of this site is to bring reality with a taste of entertainment

0 comentários:

Copyright © 2013 Aqui a Gente Mostra™ is a registered trademark.

Designed by Templateism. Hosted on Blogger Platform.